h1

A Tecnologia Vai à Guerra

outubro 7, 2009

i57695

Mais importantes inovações tecnológicas militares aconteceram durante a Primeira Guerra Mundial que em qualquer outra guerra na história. Com a única exceção importante da bomba atômica, todos os meios importantes de guerra da Segunda Guerra Mundial foram meramente melhorias ou modificações das armas em 1918.

As Aeronaves e a Guerra Aérea. Embora os balões tivessem sido usados em guerras mais cedo – como na Guerra Civil Americana e na Guerra Franco-Prussiana – o vôo dirigido e controlado sério sobre o chão tinha menos que uma década e meia quando a Primeira Guerra Mundial começou. No princípio duas variedades de aeronave foram usadas: o rígido balão dirigível mais-leve-que-o-ar, ou aeróstato, e o avião mais-pesado-que-o-ar. O tipo melhor-conhecido e mais bem-sucedido de aeróstato dirigível era o zepelim Alemão. Os aviões eram versões grandemente melhoradas do protótipo cru primeiro voado (1903) nos Estados Unidos pelos irmãos Wright e na França pelo Brasileiro Santos Dumont em 1906.

Os Alemães usaram seus zepelins em várias incursões de alta-altitude em Paris e em Londres, mas muito antes do fim da guerra os Alemães abandonaram as incursões em massa dos zepelins porque os rapidamente aperfeiçoados aviões Aliados eram capazes de escalar à mesma altitude e, atirando balas de metralhadoras nas bolsas de gás hidrogênio-cheias dos dirigíveis, os transformavam em holocaustos aéreos. Os zepelins eram usados para o transporte a longa-distancia – um memorável vôo ininterrupto da Bulgária levava os suprimentos muito-necessitados ao minúsculo exército isolado Alemão do General von Lettow-Vorbeck na Africa Oriental – mas ao final da guerra o zepelim tinha sido eclipsado pelo avião de combate.

A guerra aérea, por toda sua cor, romance, e glória, teve pouca influência no resultado da Primeira Guerra Mundial. Pela maior parte, a guerra aérea consistiu em vários combates individuais, mantendo pequena relação com o curso das grandes batalhas terrestres. O bombardeamento não danificou seriamente qualquer indústria de guerra, e as comunicações e linhas de suprimento no chão nunca foram rompidas a qualquer extensão importante. Basicamente, a guerra aérea de 1914-18 foi uma precursora das coisas a porvir e um terreno de testes para a teoria tática e técnica.

O Submarino. Os primeiros esforços para a guerra submarina foram abertos pelos Americanos nas guerras Revolucionária e Civil. Porém, os verdadeiramente efetivos submersíveis militares fizeram seu aparecimento na Primeira Guerra Mundial.

Antes de 1914 alguns pensadores navais Alemães tinham visto o potencial do submarino como um meio de compensar o domínio mundial da Inglaterra no mar molestando e tentando bloquear as vulneráveis linhas ultramarinas de comunicações da Grã-Bretanha.

Quase funcionou. A campanha submarina de 1917 quase forçou a Inglaterra para fora da guerra, mas o sistema de escolta salvou a Inglaterra, e no final das contas os submarinos não foram mais uma séria ameaça.

O Tanque. Tão dramático e importante como uma nova arma quanto o avião e o submarino, o tanque também demonstrou um potencial que chegaria a ser percebido completamente só na guerra subseqüente. Ao final da Primeira Guerra Mundial o tanque estava se tornando uma força principal nas batalhas terrestres. Ele era lento, incômodo, e vulnerável à artilharia hostil, mas ele poderia prover mobilidade e potência de fogo ao atacante.

O Gás Tóxico. O gás tóxico foi, em grande parte por causa de sua cautela e seus fumos asfixiantes, o maior terror-inspirador de todas as armas da guerra. Contramedidas logo reduziram o gás tóxico a pouco mais que um meio de molestamento, mas seu potencial mortal levou a um acordo internacional, o Protocolo de Genebra de 1925, proibindo o gás tóxico como um meio de guerra.

A Metralhadora. Como o avião e o submarino, a metralhadora foi uma invenção Americana que foi melhorada na Europa. Cedo na Primeira Guerra Mundial seu valor foi demonstrado como uma arma defensiva. Em combinação com as trincheiras, o arame farpado, e as cápsulas de artilharia alto-explosiva, a metralhadora dominou o longo beco sem saída das trincheiras entre fins de 1914 e o começo de 1918.

Os Alemães finalmente reconheceram o potencial ofensivo da metralhadora e abriram caminho para o desenvolvimento das metralhadoras leves para prover potência de fogo móvel dentro de cada esquadrão.

A Artilharia e Altos Explosivos. O persuasivo canhão tinha dominado os campos de batalha da Europa nos tempos Napoleônicos. Aquele domínio tinha súbita e dramaticamente desaparecido na Guerra Civil Americana, quando o rifle se tornou a arma mais letal no campo de batalha. Porém, três novos desenvolvimentos imediatamente antes da Primeira Guerra Mundial restabeleceram a artilharia ao seu lugar como o árbitro das batalhas. Estes eram a precisa, e rápida arma de campo com sofisticado mecanismo de recuo e trava de fechamento-rápido; as cápsulas alto-explosivas que poderiam varrer grandes áreas com explosões destrutivas e estilhaços com garras de aço; e, talvez mais importantes, os novos meios de comunicação rápida por telefone, que permitiram colocar armas atrás das linhas de cumes e florestas e atirar sobre essas máscaras em alvos que as artilharias não podiam ver, seguindo direções telefonadas de observadores facilmente escondidos nas linhas de frente.

Os projéteis em tubos de artilharia também atingiram seu pleno potencial de letalidade durante a Primeira Guerra Mundial. A arma de campo Francesa de 75 mm, desenvolvida em 1897 – a mais efetiva peça de artilharia da guerra – remanesceu uma arma útil quando a Segunda Guerra Mundial começou em 1939; a arma de longo alcance Alemã que descascou Paris no começo de 1918 tinha um dos alcances de fogo mais longos de qualquer canhão balístico.

As Comunicações Eletrônicas. Os telefones de campo não só revitalizaram a artilharia, mas eles também proveram comunicação instantânea entre os comandantes e as unidades subordinadas. Embora os fios fossem vulneráveis ao fogo da artilharia hostil e pudessem ser cortados por ousadas patrulhas noturnas, eficientes equipes de reparos poderiam manter os telefones operando debaixo de quase qualquer condição.

Um novo meio de comunicação eletrônica também apareceu durante a Primeira Guerra Mundial, apenas 10 anos depois de sua invenção – o rádio. Seus sinais invisíveis não podiam ser cortados pelo fogo da artilharia ou cortadores de arame, embora meios de esmagar a transmissão logo foram descobertos – da mesma maneira que a evasão. O rádio permitiu a instalação muito mais rápida das comunicações, à alcances mais longos distantes, do que era possível com telefones de campo. Poucas melhorias foram feitas nos telefones de campo desde a Primeira Guerra Mundial; melhorias na transmissão de rádio, porém, têm sido contínuas, com o potencial futuro da eletrônica na guerra ainda ilimitado.

As Consequencias. A tecnologia aumentada da Primeira Guerra Mundial tinha grandemente ampliado o potencial da humanidade para matar, mas também se esperava que esta “guerra para terminar todas as guerras” tinha servido como uma lição para as nações e que a matança futura poderia ser evitada. A Liga das Nações foi estabelecida para resolver as disputas internacionais pacificamente, e o Pacto Kellogg-Briand (1928) buscou proscrever a guerra completamente. Muitos aspectos da determinação de paz de Versalhes, porém, semearam as sementes do conflito futuro. As severas penalidades arrecadadas contra a Alemanha criaram a instabilidade econômica e política e assim ajudaram a ascenção de Adolf Hitler. Como a erupção da Segunda Guerra Mundial provaria 20 anos depois, a humanidade ainda não tinha encontrado o caminho da paz.

Fonte: http://br.geocities.com/inations/wwar1.htm

Anúncios

24 comentários

  1. achei muito interessante


  2. muito legal
    parabens!!!


  3. Adoraria saber a fonte de pesquisa do texto, pois o site esta evaluado e necessito para um trabalho. Agradecido


  4. muito interessante e esclarecedor.


  5. aff….q materia chataaa


  6. woow


  7. parabéns! gostei mt desse assunto!


  8. muito bom


  9. estou na 8°serie estudando a 1°Guerra mundial amei fazer esta pesquisa aqui pois tinha tudo que eu queria!!!parabens pelas coisas que postou amei


  10. muitoo boom ajudouu noo trabalhoo dee escolaa rsrsrsrrsrsrsrsrsrsrrssrsrrs


  11. presisa ser bem mais elaborado ppois e uma merda ta bom linga linga


    • exato, ta uma “M” esse português, muito erro de concordância verbal e etc.
      Precisa melhorar pros próximos, mas o conteúdo em si está ótimo.


  12. Reblogged this on Entre séculos.


  13. Gostei


  14. a professora ta pegando pesado po caramba tenho que copiar isso tudo!!!!!!!!!!!!!


  15. isso me ajudou mt no trabalho de historia rsrsrsrsrsr


  16. parabéns , muito mais muito bom , é exatamente o que eu tava procurando , esse site é otimo rsrsrsrsrs (:


  17. muito bom


  18. gostei da pesquisa legal


  19. Fico triste ao ver que algumas pessoas que reclamaram do material , aqui postado, mal sabem escrever direito, né?


  20. muito bom



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: